Encontre seu novo emprego

Se você chegou a esta página, é porque está começando a sua carreira profissional, certo? Então, precisa saber quais as principais formas de contratação vigentes. Assim, você já fica por dentro das regras que devem ser seguidas em cada uma delas. Vamos lá!

programa de estágio

É bastante comum recorrer a uma vaga de estágio quando se está no início da carreira profissional. Isso porque o principal objetivo do programa é dar oportunidade para o estudante adquirir experiência no ambiente de trabalho, aplicando os conhecimentos aprendidos em sala de aula. Dessa forma, é uma maneira de se preparar para o mundo do trabalho.

A lei 11.788/08 regulamenta o estágio para pessoas acima de 16 anos de idade, matriculadas em instituições de educação superior, educação profissional, ensino médio e educação especial. Além disso, inclui também alunos dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional da educação de jovens e adultos.

A carga horária do estágio é de 4 ou 6 horas diárias, com direito à bolsa-auxílio, vale-transporte e férias de 30 dias, preferencialmente, no período das férias escolares. A duração do programa é de até 2 anos na mesma empresa.

O estudante trabalha sob supervisão e a contratação é feita a partir de um Termo de Compromisso. Há ainda o estágio obrigatório, que pode ser remunerado ou não, e consta nas grades curriculares como requisito para a conclusão de alguns cursos de nível superior.

JOVEM APRENDIZ

O programa de aprendizagem também é uma forma de o estudante iniciar sua carreira profissional. Mas, diferente do estágio, existe uma idade limite: é preciso ter entre 14 e 24 anos, e ter concluído ou estar frequentando as séries finais do ensino fundamental ou médio. Porém, não há limite de idade para Pessoas com Deficiência (PCDs).

O contrato tem duração de até 2 anos, com direito a salário, 13º, férias, vale-alimentação e vale-transporte. Regulamentado pela lei 10.097/2000, o aprendiz tem registro em Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), ou seja, possui vínculo empregatício. Outro requisito é o estudante participar de alguma formação técnico-profissional. A jornada de trabalho varia de 4 a 8 horas diárias.

TRABALHO REMOTO / TELETRABALHO

O trabalho remoto, também chamado de teletrabalho, é tendência de contratação nos mais diversos setores. O funcionário cumpre sua função em ambiente externo à empresa. Pode ser no escritório de casa, em um café ou qualquer outro lugar. Segue-se o que consta na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), atualizada pela Reforma Trabalhista, lei 13.467, em 2017. Porém, existem regras que são firmadas em acordo individual. Nele, devem ser descritos o funcionamento das atividades e o cumprimento da jornada de trabalho. Os custos com internet e energia, bem como os benefícios fornecidos, são negociados entre empregador e funcionário. Entre as vantagens para o colaborador estão evitar o trânsito e fazer pausas no momento em que considerar necessário. O empregador também reduz gastos na conta de água, luz e aluguel do espaço.

CARTEIRA ASSSINADA / CLT

Nesta modalidade, o funcionário possui registro em carteira e a contratação segue o que consta na Consolidação das Leis de Trabalho (CLT). Entre os benefícios previstos estão férias de 30 dias após 1 ano de trabalho, 13º salário, FGTS, INSS, vale-transporte e vale-alimentação. Aqui, geralmente, o funcionário é efetivado na empresa após realizar o período de experiência de 90 dias.

trabalho parcial

O trabalho parcial é aquele desempenhado em uma jornada menor do que a do trabalho integral. Dessa maneira, existem duas possibilidades: trabalhar até 30 horas semanais, sem possibilidade de fazer hora extra; ou trabalhar 26 horas semanais, podendo realizar 6 horas extras, pagas com acréscimo de 50% sobre o valor da hora.

A empresa não pode diminuir a carga horária integral pela parcial sem um acordo coletivo. Já o trabalhador deve apresentar uma justificativa por escrito para realizar o pedido. O salário é proporcional à jornada, em relação aos trabalhadores da mesma função que realizam as atividades em tempo integral. As férias também são proporcionais, após 1 ano de contrato.

trabalho autÔnomo

Profissionais liberais como advogados, engenheiros, jornalistas e corretores de imóveis, por exemplo, podem prestar serviços como autônomos. 

Dessa maneira, não é necessário abrir uma empresa. Então, são contratados como pessoa física e devem utilizar o Recibo de Pagamento a Autônomo (RPA) para cumprir com as obrigações tributárias. 

É uma das formas de contratação sem vínculo empregatício e o RPA serve como uma nota fiscal. Somente profissionais com formação específica e registro no conselho de classe podem usar o RPA, que é emitido pela empresa que contratou o serviço.

CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA

Sabe quando oferecem vagas de trabalho para o período de alta nas vendas? Ou para cobrir licença-médica e licença-maternidade? Então, nesses casos, as empresas buscam funcionários temporários, que irão trabalhar somente enquanto a demanda estiver acima da média ou até que o funcionário efetivo volte.

É firmado um contrato, especificando as funções que serão desempenhadas. Porém, existe uma empresa intermediadora desse tipo de contratação, que deve estar cadastrada no Ministério do Trabalho. A relação do trabalhador temporário se dá com a intermediadora e não com a empresa na qual ele irá prestar o serviço.

O prazo do contrato é de até 180 dias, que pode ser prorrogado por mais 90 dias. A contratação temporária segue a lei 6.019/1974, regulamentada pelo decreto 10.060/19. O trabalhador recebe benefícios como FGTS, INSS e férias proporcionais a partir do 15º dia de trabalho. Além disso, é feito o registro em carteira na condição de temporário.

CONTRATO PJ / FREELANCER

Na contratação de Pessoa Jurídica (PJ) ocorre a prestação de serviços entre empresas. Então, é preciso ter um Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) para emitir nota fiscal e pagar impostos. O profissional recebe por serviço prestado e pode trabalhar para várias empresas ao mesmo tempo.

É o caso do freelancer, que negocia trabalhos específicos com prazos de entrega a cumprir. Por isso, não há vínculo trabalhista como horário fixo e subordinação a um chefe, por exemplo. Mas, é feito um contrato detalhado sobre as atividades a serem desempenhadas. Se o contrato for interrompido, a contratante não tem nenhuma obrigação trabalhista.

Se você pensa em ser um freelancer, poderá abrir uma empresa como Empreendedor Individual (EI), Microempreendedor Individual (MEI) ou Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI). Procure sobre as diferenças entre elas para compreender qual corresponde aos seus interesses!

Depois de conhecer as principais formas de contratação, talvez você se pergunte: qual delas eu devo escolher?

Tudo depende das oportunidades que vão surgir e dos objetivos que você tem para a sua carreira profissional. Mas, nada impede que você mude de ideia ao longo da sua jornada no mundo do trabalho. O importante é estar em constante evolução.

Se você é estudante e nunca trabalhou, é interessante verificar se cumpre os requisitos para se candidatar a vagas de estágio ou de aprendizagem. Caso não seja o seu caso, a forma mais segura e estável é a contratação com carteira assinada, regida pela CLT.

Conforme você for adquirindo experiência e estiver mais seguro do seu trabalho, você pode optar por trabalhar como freelancer. Se surgir uma vaga interessante para outra cidade ou estado, o trabalho remoto também é uma ótima escolha. 

Seja qual for os seus objetivos, o Encaminhamento Brasil auxilia no seu processo de inserção ou recolocação profissional. Conte com a gente!

Dê o próximo passo na sua carreira profissional com o Encaminhamento Brasil!

Através do incentivo à educação, a gente ajuda você a se preparar para as áreas mais promissoras do mercado. Está com dúvidas? Já deixamos algumas delas respondidas aqui embaixo. Olha só:

Mas, como eu encontro as vagas:

No Encaminhamento Brasil, a gente agiliza esse processo para você. Funciona assim, você cadastra o seu currículo e as empresas parceiras realizam as buscas quando precisarem de alguém para preencher uma vaga. Assim, no momento em que elas tiverem oportunidades que se encaixem no seu perfil, você será contatado..

Quero cadastrar meu currículo, como faço?

É muito simples! Primeiro, siga as nossas dicas no blog sobre como criar um currículo. Depois, clique em "Quero me cadastrar GRATUITAMENTE" para preencher seus dados e fazer parte da base de dados. Pronto! Você já estará visível para as empresas parceiras do Encaminhamento Brasil.

Quanto devo
pagar?

Nada! O serviço é gratuito para candidatos a vagas de emprego. A ideia é ajudar quem está iniciando carreira profissional.

E se, a empresa em que trabalho souber que estou me candidatando a outras vagas?

Relaxa, ninguém vai saber. Quando você informa a sua experiência profissional, a gente deixa o seu currículo invisível para as empresas que você já trabalhou ou está trabalhando. Você também escolhe para quais empresas não deseja aparecer. Legal, não é?